6 livros escritos na prisão – Advocacia Mariz de Oliveira
996
post-template-default,single,single-post,postid-996,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive

6 livros escritos na prisão

Não faltam exemplos de autores consagrados que produziram importantes livros enquanto estavam atrás das grades. Há exemplos também de presos que descobriram a vocação para a escrita na prisão. Fizemos uma seleção de títulos escritos por autores enquanto estavam cumprindo pena.

Dom Quixote – Publicado em 1605, Dom Quixote foi escrito por Miguel de Cervantes enquanto o espanhol estava na cadeia por causa de dívidas.

Memórias do Cárcere – escrito por Graciliano Ramos em 1936 enquanto estava preso por causa de envolvimentos políticos, Memórias do Cárcere é considerada uma das grandes obras da literatura brasileira e foi publicada postumamente.

De Profundis – Oscar Wilde cumpria pena por “comportamento indecente” quando escreveu o livro De Profundis, uma epístola a seu amante. A obra foi publicada em 1905, quatro anos após a morte de Wilde, em versão reduzida. Em 1962 a versão completa foi incluída no livro de cartas the Letters of Oscar Wilde

Cartas do Cárcere – O filósofo italiano Antonio Gramsci estava na prisão por combater a ditadura de Franco quando produziu “Cartas do Cárcere”, mensagens escritas a parentes e amigos enquanto ficou recluso, de 1929 a 1934.

Longa caminhada até a liberdade  – Durante os 27 anos que esteve preso, Nelson Mandela escreveu sobre sua vida, formação política e luta contra a segregação racial.

Justine – também chamado de “Os Infortúnios da virtude”, esse livro foi escrito por Marques de Sade quando estava na Bastilha em 1787

O livro das maravilhas – O explorador Marco Polo ditou os textos sobre suas aventuras para um amigo de cela. O livro foi traduzido em algumas línguas em 1471 e impresso em língua portuguesa em 1508.