Conversa de advogado – Advocacia Mariz de Oliveira
947
post-template-default,single,single-post,postid-947,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive

Conversa de advogado

 

Em sua newsletter, o historiador Pedro Doria relembra as negociações do tratado que venderia o Acre para a Bolívia e o surgimento da expressão “à beça”.

Na semana passada, o destaque foi para a Revolução Acreana.

Uma historieta a completa: em meio às negociações do tratado pelo qual a Bolívia venderia o Acre ao Brasil, representava o estado do Amazonas o advogado sergipano Gumercindo Bessa. Do outro lado estava um dos juristas mais respeitados do país: Ruy Barbosa. Pois Bessa não se descuidou. Argumentou, argumentou muito, argumentou tanto que tornou a resposta do velho Ruy impossível.

Ficou marcado por aquela defesa.

Tanto, aliás, que de certa feita um sujeito chegou para o presidente Rodrigues Alves cheio também de argumentos. Alves riu e logo disse, ‘mas o senhor tem argumentos à Bessa!’

A grafia mudou, o ‘b’ ficou minúsculo, mas foi assim que a expressão à beça entrou cá na língua brasileira.

(A boa história foi resgatada pelo Paulo Bicarato.)