Julgue como uma garota – Advocacia Mariz de Oliveira
930
post-template-default,single,single-post,postid-930,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive

Julgue como uma garota

A repórter Natacha Cortez entrevistou a desembargadora Kenarik Boujikian para a revista TPM. Uma das 48 mulheres ao lado de 360 homens no Tribunal de Justiça de São Paulo, Kenarik começou a carreira em Piracicaba e é reconhecida por ações de grande apelo midiático, como a condenação do médico Roger Abdelmassih.

Na reportagem, Natacha conta que a desembargadora é reconhecida por lutar “para abrandar a desigualdade de gêneros”. É cofundadora da Associação Juízes para Democracia, orgão que propôs que os exames da magistratura venham sem identificação do aluno para evitar a exposição do seu gênero. Defende ideias progressistas, como a aplicação de penas alternativas.

A desembargadora também falou sobre o processo administrativo movido por um de seus colegas, Amaro Thomé Filho, que a acusa de ter desrespeitado o princípio da colegialidade, ao conceder, sozinha, liberdade a dez réus que estavam presos a mais tempo do que as penas fixadas em suas sentenças.

Para ter acesso à entrevista completa clique aqui.