Lei do Ventre Preso – Advocacia Mariz de Oliveira
16186
post-template-default,single,single-post,postid-16186,single-format-standard,bridge-core-1.0.5,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-18.1,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.2,vc_responsive

Lei do Ventre Preso

Livro Mães do Cárcere mostra a rotina do único presídio exclusivo para grávidas e lactantes do país e reacende a discussão sobre maternidade na prisão

Em 2014, o fotógrafo Leo Drumond e a jornalista Natália Martino conseguiram autorização do governo de Minas Gerais para frequentar semanalmente o Centro de Referência à Gestante Privada de Liberdade, em Vespasiano, o único presídio exclusivo para grávidas e lactantes do país. As visitas, que ocorreram durante 12 meses, deram origem ao livro Mães do cárcere, lançado em São Paulo no dia 30 de junho, e cujas fotos ilustram esse texto.

Fundado em 2009, o presídio tem hoje capacidade para receber 78 detentas. “Atendemos 100% da demanda do estado de Minas Gerais”, conta Eliane da Paixão, atual diretora da instituição. Trata-se de uma unidade modelo. Lá, as detentas têm serviços médicos disponíveis 24 horas por dia, não ficam presas em celas e recebem alimentação especial para o período da maternidade. “Sabemos que só conseguimos autorização para fotografar lá por se tratar de uma unidade com muito mais estrutura do que a média. Mesmo assim, logo nas primeiras visitas me impressionei muito com a dicotomia entre as grades da prisão e a liberdade das crianças correndo e brincando no pátio”, conta Leo.

Fonte: Revista Trip